Garçom denuncia preconceito no trabalho após adotar cabelo 'moicano'








Jefferson Lemos Pereira, de 25 anos, procurou a Polícia Civil de Piracicaba (SP) para denunciar o prefeconceito que sofreu no local de trabalho após adotar um penteado moicano. “Já é negro e ainda usa esse cabelo para servir os clientes”, disse a chefe do buffet onde ele é garçom, segundo o jovem. "Foi humilhante", lamentou. Procurada pelo G1, a mulher negou a situação e disse ter sido um mal-entendido.
O caso foi registrado como injúria de raça, cor, etnia, religião, origem, idade ou deficiência no noite da última sexta (8). “Sou negro, homossexual e, em toda minha vida, nunca passei por uma situação de preconceito como essa”, afirmou Jefferson ao G1.
O jovem relatou que há um mês resolveu adotar o estilo "moicano" e ainda não tinha ido até o buffet infantil porque atua como garçom freelancer no local.  Logo que chegou, foi recebido pela mulher com grosseria, de acordo com Jefferson. “Ela debochou do meu cabelo e questionou se eu trabalharia com ele, mas eu não liguei porque cada um tem seu gosto e opinião”, disse.
Segundo o garçom, ele passava pela cozinha quando ouviu a chefe conversar com a cozinheira. A mulher comentou: “Com um cabelo desses quer trabalhar?” e “Já é negro e ainda usa esse cabelo para servir os clientes”.
Humilhação
“Se ela citasse só o cabelo eu não ligaria, pois ninguém é obrigado a gostar, mas ela foi preconceituosa e ofendeu a minha raça”, contou o rapaz. “Depois ela voltou a debochar de mim e falava rindo. Foi humilhante”, completou.
Jefferson relatou que após a situação, a mulher se recusou a pedir desculpas e, afirmou que, por ela, ele não trabalharia no estabelecimento e que iria consultar os outros donos para saber se o jovem continuaria prestando serviços para a empresa.

“Ela se demonstrou racista e homofóbica sem nenhuma vergonha”, disse o jovem. 
Direitos
O rapaz mantém um trabalho fixo como auxiliar de expedição em uma fábrica de alimentos. “Meu novo estilo foi aprovado pelo setor de qualidade da empresa, o cabelo não oferece risco nenhum de higiene para servir as pessoas no buffet”, contou.
Após ser alvo de preconceito, Jefferson afirmou ao G1 que vai dar entrada em um processo por crime racial contra a mulher. “Sempre fui extremamente educado com todos e fiz o meu trabalho com dedicação. Agora vou atrás dos meus diretos”, disse.
“Ninguém é obrigado a aceitar negros ou gays, mas respeito é o mínimo que devemos receber de todos”, desabafou.
O que diz a mulher
Ao G1, a chefe do buffet disse que foi um mal-entendido e negou o ocorrido. Segundo a mulher, o rapaz não relatou o caso a ela. "Em momento algum desrespeitei ou tive a intenção de desrespeitar Jefferson. O único comentário que dirigi a ele foi apenas e tão somente ao seu novo penteado, no sentido de dizer que não gostei do seu novo estilo de cabelo”, disse."Minhas palavras jamais foram proferidas com o condão de ofender ou discriminar a pessoa do Jefferson", afirmou.

http://g1.globo.com/sp/piracicaba-regiao/noticia/2016/01/garcom-denuncia-preconceito-no-trabalho-apos-cabelo-moicano.html

Jovem foi vítima de injúria racial após adotar cabelo moicano (Foto: Jefferson Lemos/Arquivo pessoal )

Comentários

#Fale conosco

Nome

E-mail *

Mensagem *