Protesto contra preconceito racial leva jovens às ruas do Recife

Foco do ato foi o racismo contra afrodescendentes em Pernambuco

Dezenas de pessoas participaram neste domingo da Marcha do Empoderamento Negro, ato com o intuito de dar visibilidade à violência cotidiana contra o homem e a mulher afrodescendente. O movimento começou às 11h na praça do Derby e, pela tarde, seguiu pela avenida Conde da Boa Vista em direção ao Marco Zero. A estereotipação e sexualização da mulher negra, bem como os altos índices de assassinato dos jovens negros e pobres tiveram destaque entre os pontos denunciados no protesto.
A gente veio aqui por conta do racismo que ainda existe e para dar conscicência às pessoas disso. Denunciar a hipersexualização e a esteoripação da mulher negra na TV brasileira e tantos outros assuntos”, comentou uma das coordenadoras do ato, Nathália Rocha. Para mobilizar as pessoas foi feita uma grande corrente de divulgação nas redes sociais e grupos de whatsapp. Na página do Facebook, que convidava para o evento, foram confirmadas 3,5 mil presenças.
Uma das jovens que participou do protesto veio, justamente, após receber convite no grupo de Whatsapp do qual faz parte, foi a estudante de Letras Larissa Alves, de 20 anos. “Faço parte do grupo Beleza Negra PE e essa marcha foi divulgada lá. Achei importante vir. A mulher negra ainda é vítima de muita violência, principalmente sexual, em casa e na rua”, disse. Também universitária, Taciana Gomes, de 26 anos, aceitou o convite de uma amiga para às ruas. “Sofri e sofro muito preconceito. Já disseram que tenho cabelo ruim, que meu cabelo fede, que é duro… A gente veio reivindicar direitos contra o racismo”, comentou.
Durante a concentração, houve um momento de interação, depoimentos de pessoas que passaram pelo processo de auto aceitação e transição, além de uma palestra sobre o  genocídio da juventude negra no Brasil. Ao longo do percurso o grupo fez algumas paradas, durante as quais entoou gritos de abaixo o preconceito. Eles também leram frases escrita nos cartazes que carregavam como “Solte o cabelo e prenda o racista”, “Afronte o medo” e “Empoderemos as crianças”.  O trânsito ficou lento. Já no Marco Zero houve apresentações culturais, entre elas de Maracatu.
Fonte: Diário de Pernambuco
http://www.alagoas24horas.com.br/920558/protesto-contra-preconceito-racial-leva-jovens-ruas-recife/

Comentários

#Fale conosco

Nome

E-mail *

Mensagem *