Suplicy assume Direitos Humanos e quer diálogo com black blocs e outros

Haddad e Suplicy durante a cerimônia de posse do ex-senador como secretário de Direitos Humanos  (Foto: Vanessa Carvalho/Brazil Photo Press/Estadão Conteúdo )

O novo secretário de Direitos Humanos da Prefeitura de São Paulo, o ex-senador Eduardo Suplicy, afirmou nesta segunda-feira (2), durante cerimônia de posse que quer que sua gestão seja marcada pelo diálogo com "movimentos", como "black blocs" e passe livre". Além de Suplicy, o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha tomou posse como secretário das Relações Governamentais.
“Quero conclamar todos os movimentos, seja do passe livre, dos passe livre, dos black blocks, do GLBT, imigrantes, dos afro-descendentes, eu como secretário dos direitos humanos e cidadania estou disposto a dialogar”, disse. “Numa metrópole de 12 milhões de habitantes, a cada instante ofensas aos direitos humanos estão acontecendo”, disse.
O ex-senador lembrou em seu discurso o movimento Diretas Já, segundo ele, marcado pela não-violência. E disse que um de seus trabalhos poderá ser conversar com os movimentos e as autoridades de segurança pública.

Suplicy foi aplaudido de pé pela plateia durante seu discurso e leu um trecho da Constituição sobre os direitos humanos. A cerimônia em que tomaram posse ocorreu no hall do edifício da Prefeitura de São Paulo, no Viaduto do Chá, que ficou lotado.
O ex-senador representou São Paulo no Legislativo federal por 24 anos. Questionado durante a entrevista coletiva sobre a eleição do deputado Eduardo Cunha (PMDB) para presidente da Câmara, Suplicy disse que o novo mandatário da Casa deveria visitar o papa Francisco para evitar uma guinada conversadora na Câmara.
“Dada a posição bastante conservadora em relação aos direitos humanos, acredito que o presidente da Câmara dos Deputados deve estar atento às lições e palavras do papa Francisco, que têm sido tão generosas e sábias. Quem sabe ele possa fazer uma visita ao papa, que vai bem recebê-lo e dizer algumas reflexões para aqueles que são tão conservadores, em respeitar os direitos humanos de toda e qualquer pessoa”, disse.
Padilha
O ex-ministro da Saúde também discursou e agradeceu o convite do prefeito Fernando Haddad.

Ele afirmou que uma de suas principais tarefas será dialogar com a Câmara sobre projetos importantes para a cidade, e destacou o projeto de lei que altera o zoneamento do município, que deve ser discutido na Casa já no primeiro semestre. Lembrou também a importância do Conselho da Cidade, um canal de participação popular.
No evento, também estiveram presentes o ministro da Saúde, Artur Chioro, sucessor de Padilha no posto, e a ministra da Secretaria Especial de Direitos Humanos, Ideli Salvatti.
Padilha disputou o governo do estado de São Paulo nas eleições de 2014 e ficou em terceiro lugar. Ele foi ministro de Relações Institucionais, durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva, e ministro da Saúde, no primeiro mandado de Dilma Rousseff (PT).

Trocas visando 2016
Em janeiro, Haddad fez a principal mudança visando a reeleição no ano que vem, ao dar posse ao ex-deputado Gabriel Chalita (PMDB) para a Secretaria de Educação.  E a equipe pode sofrer novas mudanças por conta da estratégia de aproximação com partidos que podem ser aliados nas eleições.

Entre os alvos está o PR, do ex-vereador paulistano e agora ministro dos Transportes Antônio Carlos Rodrigues, suplente da senadora e ex-ministra da Cultura Marta Suplicy. Também pode haver esforço para aproximação com o PSD, do ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab, agora ministro das Cidades, mas isso depende do interesse ou não de Kassab de concorrer à Prefeitura de São Paulo em 2016.
http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2015/02/suplicy-assume-direitos-humanos-e-quer-dialogo-com-black-blocs-e-outros.html

Comentários

#Fale conosco

Nome

E-mail *

Mensagem *