Morre primeira pessoa diagnosticada com ebola nos EUA

Thomas Duncan / Crédito: AP
Thomas Duncan foi o primeiro paciente diagnosticado com ebola nos Estados Unidos
O primeiro paciente a ser diagnosticado com o vírus do ebola nos Estados Unidos morreu na manhã desta quarta-feira. A morte de Thomas Eric Duncan foi confirmada pelo Hospital Presbiteriano do Texas, em Dallas, onde ele estava internado há uma semana.
Duncan é da Libéria e acredita-se que ele tenha sido infectado com o ebola no país do oeste da África, onde há uma epidemia do vírus que já matou mais de 3 mil pessoas.
Ele chegou a tomar um dos remédios experimentais que estão sendo desenvolvidos para combater a doença – o brincidofovir – no último sábado, quando seu estado passou de grave para crítico.
O liberiano visitou seu país nativo em setembro e embarcou de volta para os EUA no dia 19 alegando que não havia tido contato com ninguém que estivesse infectado com o vírus na Libéria – Duncan, no entanto, foi visto acompanhando uma pessoa próximo a uma clínica médica no país (essa pessoa morreu de ebola alguns dias depois). No dia 30 de setembro, já no Texas, Duncan foi diagnosticado com o vírus e foi internado.
No dia 30 de setembro, já no Texas, Duncan foi diagnosticado com o vírus e internado.

Atitude conjunta

A morte de Thomas Duncan fez com que o secretário de Estado americano, John Kerry, convocasse uma entrevista coletiva às pressas.
Kerry novamente pediu mais atenção dos países em relação à epidemia do ebola e pediu que os países atuem de forma conjunta e “sem precedentes” para combater o vírus.
Na semana passada, o presidente americano, Barack Obama, já havia falado sobre o caso de Thomas Duncan. Ele disse que o risco de a doença se espalhar pelos Estados Unidos são "extremamente baixos", mas pediu uma ‘luta mundial’ contra a epidemia na África.
"Não vimos outros países agirem tão agressivamente quando precisavam", afirmou Obama.
"Eu vou colocar pressão sobre meus colegas, chefes de Estado e de governo, em todo o mundo, para assegurar que estejam fazendo tudo o que podem para se unir a nós neste esforço."
Nesta quarta, após a morte de Thomas Duncan ter sido confirmada, as autoridades americanas anunciaram uma nova medida para evitar que outras pessoas infectadas com o ebola entrem no país.
Agora, todos os passageiros que desembarcarem em solo americano vindos de Libéria, Serra Leoa e Guiné (países que concentram os casos de Ebola) terão sua temperatura corporal medida na entrada do país.

Grã Bretanha

Também nesta quarta-feira, o ministro das Relações Exteriores da Grã-Bretanha, Philip Hammond, anunciou que o país está enviando 750 soldados para Serra Leoa para ajudar no combate da doença.
Além dos militares, que ajudarão a construir centros de tratamento, o país deve destacar três helicópteros e um navio para a operação.
Trezentos soldados americanos já chegaram à vizinha Libéria para erguer hospitais provisórios.
Nos próximos dias, aproximadamente 3 mil outros militares americanos devem chegar ao país também para ajudar nos esforços contra o ebola.

Comentários

#Fale conosco

Nome

E-mail *

Mensagem *