União e incentivo ao empreendedorismo feminino

Empresária Ludymilla Damatta
O estigma da mulher goiana de ser reconhecida apenas pela beleza sempre foi algo que incomodou a empreendedora Ludymilla Damatta, de 35 anos. Não porque lhe faltassem atributos, mas porque sempre se dedicou aos estudos, à preparação profissional e intelectual. Não se conformava em ver a valorização feminina ser resumida em questões puramente estéticas. Sentia falta de espaço para debater ideias, fazer networking, que pudesse reunir mais mulheres inteligentes com a mesma preocupação e até motivar outras a buscarem crescimento profissional e pessoal.
Dessa vontade nasceu a Rede Goiana da Mulher Empreendedora (RGME), para dar visibilidade, unir, promover e apoiar o empreendedorismo feminino no Estado. O trabalho foi iniciado em fevereiro de 2013, com a criação de contas no Facebook, Twitter e Instagram e o começo dos convites para internautas. Em outubro, após o direcionamento do projeto por meio de um processo de coaching, o time da rede foi montado para dar início às atividades.
Desde então, a RGME tem promovido eventos variados – oficinas, workshops, palestras e encontros –, gratuitos e pagos, que sustentam o trabalho. Eles abrangem todas as questões que dizem respeito ao universo feminino: além de empreendedorismo, maternidade, autoestima, saúde, segurança, coaching, educação, dentre outros.
Além de Ludymilla, que é fundadora e presidente, a rede conta com oito voluntárias e experts em suas respectivas áreas, que contribuem com cursos e consultorias com preços mais acessíveis às seguidoras da rede. Fazem consultorias tributária, jurídica, empresarial e profissional, de imagem, de marketing, além de recrutamento e seleção, comunicação e oratória e coaching de negócios.
A RGME já realizou 17 eventos – dos quais dois foram edições do grande Encontro da Rede Goiana da Mulher Empreendedora. Em menos de um ano, já são mais de 11 mil seguidores no Facebook. “Isso indica que o número de mulheres inteligentes que têm se dedicado ao aperfeiçoamento profissional e pessoal cresceu e, por isso, a rede teve repercussão. Cada seguidora é uma fã. Se curtiu a página, significa que tem interesse no nosso conteúdo e que está antenada, buscando networking e tentando crescer.”
Para ela, o retorno do trabalho é perceptível em cada novo evento, com o crescimento de participações e a percepção de que as mulheres goianas estão tratando mais de assuntos relacionados a negócios e empreendedorismo, expandindo relacionamentos e crescendo dentro dos seus objetivos. “Você vê exemplos de mulheres que só iam de casa para o trabalho e vice-versa, que começaram a participar de eventos, fazer networking e a transformar suas ideias e ambições em realidade.”
Currículo de peso
Para entender mais da história da Rede Goiana da Mulher Empreendedora é preciso conhecer um pouco da trajetória de Ludymilla. A vivência no mundo do empreendedorismo começou bem cedo na vida dela – aos 9 anos, já ajudava os pais na empresa familiar, a Damatta Moda Masculina. Aos 16, iniciou faculdade de Psicologia, mas deixou o curso para fazer Administração de Empresas. Formada, passou por organizações de call center e telefonia, nas áreas corporativa e comercial, até voltar a trabalhar nos negócios de família, do qual não saiu mais e é sócia atualmente.
Também não deixou de se especializar: fez pós-graduações em Marketing, Gestão de Varejo, Consultoria de Imagens, Gestão de marcas, dentre outras. Entretanto, foram os trabalhos realizados em Organizações Não Governamentais (ONG) e por meio de partidos políticos que abriram o caminho para formação da RGME. Ludymilla tem vasto trabalho com voluntariado social. Participou da ONG Planeta Mulher Astro 2000, que tinha o grupo Mada (Mulheres que Amam Demais Anônimas).
Serviço:
Rede Goiana da Mulher Empreendedora
Twitter e Instagram: @redegoianame
E-mail: redegoianame@gmail.com

Comentários

#Fale conosco

Nome

E-mail *

Mensagem *