Jovens apostam no tema meio ambiente para a redação do Enem

Gabriela Stainzack, de 19 anos, fazer o Enem para conseguir uma bolsa na uuniversidade (Foto: Bibiana Dionísio/ G1 PR)Gabriela Stainzack, de 19 anos, decidiu fazer o Enem para
conseguir uma bolsa na universidade
(Foto: Bibiana Dionísio/ G1 PR)
 
Tradicionalmente, a redação é o temor dos estudantes na hora de fazer o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Neste domingo (4), segundo dia de provas, além da elaboração do texto de até 30 linhas, os alunos respondem questões sobre linguagens, códigos e tecnologias e matemática e tecnologias. Os portões dos locais de prova no Paraná fecham às 13h.

Diante da ansiedade, os estudantes tentam adivinhar qual será o tema. Gabriela Stainzack, de 19 anos, acredita que os alunos deverão falar sobre a Rio+20, Conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) para o Desenvolvimento Sustentável, realizada no Rio de Janeiro em junho deste ano. “É um tema em alta e também está ligado com a Copa do Mundo de 2014”, disse.
Apesar da ansiedade, Gabriela diz estar tranquila. Ela já está na universidade, cursa o segundo ano de direito em uma universidade particular, e decidiu fazer o Enem para tentar uma bolsa de estudo por meio do Prouni.

“Eu já trabalho para conseguir pagar a faculdade, então, com o desconto ia me ajudar bem mais. Como é um programa do governo federal e é aberto para todo mundo, eu achei uma oportunidade boa para eu conseguir um desconto na minha faculdade”, disse.

A estudante tem ainda outro palpite para a redação. Ela especula que as cotas social e racial nas universidades federais também podem ser o tema. Seja Rio+20 ou cotas, Gabriela garante que está preparada, mesmo sem ter estudado para o Enem. “Eu estou vindo na cara e na coragem e com que eu aprendi na faculdade de direto como história e filosofia, que provavelmente vão me ajudar, e pelo tanto volume de leitura que eu tenho na faculdade. Acho que vai ser um apoio bem grande para mim”, avaliou.
Guilherme Santos Piedade, de 18 anos, quer fazer medicina (Foto: Bibiana Dionísio/ G1 PR)
Guilherme Santos Piedade, de 18 anos, quer fazer
medicina (Foto: Bibiana Dionísio/ G1 PR)
O meio ambiente também é aposta de Guilherme Santos Piedade, de 18 anos. “Se não cair nas questões de múltipla escolha, vai cair na redação, com certeza”, disse o estudante que pretende fazer medicina na Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Ele considera que está bem preparado para a prova. “Estudei a minha vida inteira para a prova da federal e agora para a do Enem”. Ele lembra que a redação é de extrema importância pelo peso da nota e, segundo ele, é mais rápida de fazer do que as outras provas que envolvem muita leitura.

É justamente a leitura das questões e textos apresentados na prova de linguagem que preocupam Guilherme. “Eu estou preocupado com português porque os textos são muito longos, é muito cansativa a prova”, disse. Em 2011, Gabriel fez o enem como 'treineiro'. Ele confessa que está um pouco nervoso, mas se sente preparado.

Dicas dos especialistas
 
 
 
 
 
Professores de português alertam os estudantes sobre alguns aspectos na hora de fazer a redação.

O texto não pode ter gírias e vícios de linguagem e aluno deve lembrar que é uma redação dissertativa, ou seja, não pode fazer uma narração ou uma poesia.
Trechos dos textos de motivação não devem ser copiados e também não é recomendado usar palavras rebuscadas para tentar impressionar o avaliador. É preciso ainda ter cuidade com a letra, para que o avaliador entenda o que está escrito.

Na hora de dar a nota, quem corrige a redação considera o uso do português, se o aluno entendeu a proposta apresentada, se soube expor argumentos e defender ponto de vista, os mecanismos da linguagem e, principalmente, se apresentou solução para a problemática levantada.

#Fale conosco

Nome

E-mail *

Mensagem *